Como o clubhouse app pode ser útil para a sua marca?

|

Você que acompanha a Bring Marketing House sabe que estamos sempre de olho nas tendências do mercado, por isso, não podíamos deixar de falar sobre a rede social que está bombando: o clubhouse app. Sim! O aplicativo de áudio que “caiu na boca do povo”, ou melhor, nos celulares, já está fazendo bastante sucesso. Elon Musk, executivo-chefe da SpaceX e Tesla, os apresentadores Oprah Winfrey e Luciano Hulk, por exemplo, já fizeram algumas aparições por lá.

Apesar da proposta lembrar algumas plataformas já conhecidas pelo público, o diferencial do clubhouse app está nos detalhes. Muitos influenciadores, empreendedores e curiosos já estão participando, e nós acreditamos que não vai demorar muito para as marcas começarem a ingressar no universo dos áudios também. Mas você sabe como a participação das marcas dentro do novo aplicativo pode acontecer? E quais são as funcionalidades do clubhouse app? Caso ainda não esteja por dentro, então continue a leitura e veja o que a nova plataforma tem para oferecer.

O que é o clubhouse e como ele funciona?

Criado pelo engenheiro industrial Paul Davidson e pelo cientista de computação Rohan Seth, em 2020, o aplicativo começou a ganhar forças no começo de 2021 pela comunicação diferenciada: salas de bate-papo por voz. Apesar de lembrar algumas propostas já existentes, como os podcasts e as lives, o clubhouse app não tem nenhum tipo de apelo visual. Além disso, só são permitidas conversas ao vivo, ou seja, elas não ficam gravadas para quem quiser ouvir em outro dia e horário, por exemplo.

Apesar de estar em fase de testes, a rede social já foi avaliada em US$ 100 milhões e bateu a marca de mais de 6 milhões de usuários registrados, mesmo só estando disponível para iPhones e ter ganhado forças no começo deste ano. Outro ponto de destaque para a rápida ascensão do aplicativo foi a entrada de executivos de agências de publicidade, celebridades, influenciadores e grandes marcas.

O passo a passo para conversar no clubhouse app

O fato da entrada no clubhouse só acontecer por meio de convites e a disponibilidade somente para iOS deixou muita gente curiosa a respeito dele. Por isso, vamos explicar um pouco mais como o aplicativo funciona.

O primeiro passo é abrir uma sala, a qual comporta até 5 mil participantes e, então, convidar uma ou mais pessoas para conversarem. O criador da sala é quem a modera e pode guiar as conversas. A partir disso, os participantes ouvintes que quiserem falar “levantam a mão” no ícone disponível e o moderador libera para que as pessoas participem da conversa. Já aqueles que quiserem só ouvir, também conseguem, sem pressão e sem exposição, já que é possível sair da sala sem ser percebido. A famosa chateação do aviso de “fulano saiu do grupo” não existe no clubhouse app, mesmo se tratando de uma sala online.

A princípio, parece ser uma super novidade que tem tudo para ser um sucesso entre as novas gerações, mas ainda é preciso aguardar para entender um pouco mais sobre o clubhouse e como ele vai funcionar. Para o professor universitário, consultor em comunicação e produtor de conteúdo, João Turquiai Jr., “vale a pena fuçar e ver até que ponto a plataforma é interessante para cada um”. Mas a previsão dele, que é “alguém curioso, que trabalha e gosta de áudio”, é que a rede seja uma aliada da vida moderna. “Hoje em dia, com as tarefas do dia a dia, as pessoas podem ouvir e aprender algo ao mesmo tempo que fazem o que precisam fazer. Somente o áudio proporciona isso, acho incrível”, destaca.

O boom dos conteúdos em áudio

E por falar em particularidades que somente o áudio pode proporcionar, é interessante analisarmos o boom que esse tipo de comunicação teve nos últimos tempos. O mercado de podcasts e audiobooks nunca esteve tão em alta. Durante o isolamento social causado pela pandemia do Novo Coronavírus, o consumo de áudio digital disparou.

A Audio.ad, unidade de negócios da RedMas, desenvolveu uma pesquisa a respeito do consumo digital no meio do ano de 2020. Foram mais de 700 entrevistados. 80% das pessoas que participaram da pesquisa alegaram ter mantido ou aumentado o consumo diário de áudio digital durante os períodos de maior isolamento no Brasil, que acontecerem entre março e junho. 67% das pessoas relataram que a música, os podcasts e as rádios são importantes para a quarentena. Além disso, 97% destacaram que a publicidade online é tão importante, ou mais, do que antes do momento de pandemia.

O sucesso dos conteúdos em áudio acontece por conta da menor necessidade de consumo de rede. Além disso, facilita a comunicação de pessoas que têm dificuldade com a escrita, por exemplo. Podemos então dizer que o clubehouse app sustenta a tese de que voz e áudio são o futuro das redes sociais.    

Descubra os motivos pelo qual as marcas vão se identificar com o clubhouse app

Como já citamos anteriormente, o aplicativo conta com alguns diferenciais em relação à outras redes sociais. A tendência do real life é muito presente no clubhouse. Trata-se de bate-papos ao vivo, sem corte, o que torna a experiência ainda mais verdadeira. Um erro de fala, um palavrão, uma gargalhada no meio de uma conversa, o interfone que toca, o cachorro que late, são diversas as realidades que podem acontecer em uma sala de conversa. Isso é o que atrai ainda mais os consumidores.

O ao vivo pode virar tendência para o consumo?

De acordo com o professor universitário João Turquiai, o ao vivo conta com uma espontaneidade única. “Isso gera maior atenção dos participantes”, no caso do clubhouse. Ou seja, eles vão precisar estar atentos ao que está sendo falado na sala de bate-papo, já que ainda não existe a possibilidade de ouvir aquilo novamente. Esse tipo de atenção pode ser bem interessante para as marcas que querem mostrar quem são e como podem ajudar as pessoas que as acompanham. Seja para promover sucesso para o consumidor, ou nas melhores experiências de consumo, por exemplo. A marca pode se vender, a partir de uma comunicação verdadeira e natural, pois as pessoas que estiverem dispostas a ouvir o que a empresa tem a dizer vão, de fato, ouvir e, consequentemente, consumir o que a empresa tem para oferecer.

Além disso, o clubhouse app é um ambiente certeiro para as marcas criarem comunidades e se engajarem com elas por meio de debates relevantes. Uma empresa que oferece certificação de qualidade para outras empresas, por exemplo, pode abrir discussões com especialistas em consultorias. Também pode conversar com clientes que já receberam o serviço e descobrir o que mudou a partir das certificações, discutir sobre as novidades do mercado e muito mais. Isso gera engajamento com futuros consumidores. Além do mais, a marca mostra autoridade e atenção às novidades tecnológicas. O negócio que se molda ao que há de novo tende a crescer, aparecer e, o mais importante, vender.

O que prever para o futuro?

Ainda que seja cedo para saber o que o clubhouse vai ser no universo digital, na comunicação e, principalmente, no marketing, ele já tem grande potencial de se tornar uma plataforma com uma boa oferta de conteúdos e trocas de experiências. O sucesso vai depender de como a rede vai se construir. E o marketing que mira na influência pela relevância tende a ganhar cada vez mais forças e atrair os consumidores que já aderiram ao clubhouse app.

Se você quer descobrir junto com a gente o que a nova plataforma tende a se tornar, não deixe de acompanhar o blog da Bring Marketing House e as nossas redes sociais. Quem sabe a gente não se vê, ou melhor, bate um papo, no novo app?

Comentários

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Posts relacionados